Entenda a Regra dos Terços

O que é? É o conceito de visualizar o assunto em que está fotografando em duas linhas horizontais e duas verticais. Mais »

O que é ISO?

Na fotografia digital ISO mede a sensibilidade do sensor de imagem. Os mesmos princípios se aplicam como na fotografia de filme – quanto menor o número, Mais »

Câmera cara não faz de ninguém bom fotógrafo.

A escolha vai depender de quem está capturando, uma pessoa que tem o um bom olhar com uma câmera “Simples” irá registrar ótimas cenas ao contrario um com uma câmera de ponta ira fazer fotos razoáveis. Mais »

Surrealismos de Christopher J

Estimulado por suas inspirações do romance e fantasia, o fotógrafo californiano Christopher J realizou uma série de fotos surreais, utilizando a técnica de dupla exposição e alterações . Mais »

 

Surrealismos de Christopher J

Estimulado por suas inspirações do romance e fantasia, o fotógrafo californiano Christopher J realizou uma série de fotos surreais, utilizando a técnica de dupla exposição e alterações . Usando esta técnica ele lida com habilidade , com isso o artista dá suas fotografias uma atmosfera unica.

Lembrando que a fotografia e uma expressão artística e com isso o surrealismos e fascinante quando executada. Lembrando que o surrealismo nasceu na década de 20 com a influencia significativa de Freud que mostro a importância do inconsciente na criatividade do ser humano.

O  início do surrealismo foi a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton, em 1924. Neste manifesto, foram declarados os principais princípios do movimento surrealista: ausência da lógica, adoção de uma realidade “maravilhosa” (superior), exaltação da liberdade de criação, entre outros.

Os artistas ligados ao surrealismo, além de rejeitarem os valores ditados pela sociedade, criam obras repletas de humor, sonhos, utopias e qualquer informação contrária a lógica.

Aprecie abaixo o surrealismos na sua essência fotográfica.

Surrealismo Christopher J

Christopher J Surrealismos - Fotografia Café

 

Surreal-Photography-by-Christopher-J-3 Christopher J Surrealismos - Fotografia Café Surreal-Photography-by-Christopher-J-6 Surreal-Photography-by-Christopher-J-5 Surreal-Photography-by-Christopher-J-4

Christopher J Surrealismos - Fotografia Café Christopher J Surrealismos - Fotografia Café Surreal-Photography-by-Christopher-J-12 Surreal-Photography-by-Christopher-J-10 Surreal-Photography-by-Christopher-J-9 Surreal-Photography-by-Christopher-J-8

 

RAW: O que é? Por que devo usar?!

O negativo da fotografia Digita!

Por que devo fotografar em RAW? Já me perguntaram isso algumas vezes. Desconhecido para muitos, geralmente amadores, essencial para profissionais.  Mesmo geralmente sendo classificado como simplesmente um formato de arquivo, ele é muito mais do que isso, vamos enter porque. Mas antes de tudo, se a sua câmera tem essa opção, habilite prontamente antes mesmo de concluir a leitura desse artigo.

O que é RAW?

O arquivo RAW, que traduzindo do inglês significa  ”cru”,  é uma outra forma em que sua câmera pode salvar a fotografia. Geralmente deixamos a opção JPG (ou JPEG), ativado para salvar os arquivos, pois quando o RAW está habilitado “enche” nosso cartão de memoria rapidamente. Devemos primeiramente entender que o jpg são os dados gravados com uma máxima compressão, para diminuir seu tamanho em megabytes, sem alterar tons e cores, com isso, sofre perda de muitas informações.

Deste modo, o formato “cru” ou RAW salva a imagem de maneira completa, com todos os detalhes possível, por isso ela ocupa tanto espaço pois seu tamanho pode chegar a ser o dobro do JPG. Lembre-se por se um arquivo sem edição ou compactação,  pode ocorrer diferença nas cores e nos tons de ambos os formatos.

Canon e Nikon

Visto que entendemos o que é o RAW, vale lembrar que cada fabricante criou seu formato nativo. Popularmente estes formatos são conhecidos desta maneira, porém o RAW da Canon, por exemplo, usa as extensões .crw e .cr2, enquanto o da Nikon cria arquivos .nef. Os formatos RAW são todos únicos e proprietários, portanto são incompatíveis entre eles.

RAW, Escolha de formato

 

No Fim, RAM ou JPEG  para  usar?

Minha sugestão e usar os dois, se você ainda não está dominando o photoshop ou Lightroom para edição de imagem no momento, escolha a opção RAW + JPEG em sua câmera, para que futuramente quando estiver dominando a edição você possa retorna nessas fotografias. Tudo bem que vai ocupar mais espaço, porem você vai ter seu negativo intacto.

Deixe seu comentário sobre como você trabalha com arquivos RAW e JPG.

Entendendo sobre as configurações de ISO

Na tradicional fotografia (película) ISO (ou ASA) era a indicação de como uma película era sensível à luz. É medido em números (você provavelmente já viu em filmes – 100, 200, 400, 800 etc). Quanto menor o número, menor a sensibilidade do filme e mais fino o grão nas suas fotos.

Na fotografia digital ISO mede a sensibilidade do sensor de imagem. Os mesmos princípios se aplicam como na fotografia de filme –  quanto menor o número, menor a sensibilidade e mais fino será os grãos. Configurações de ISO mais elevadas são geralmente utilizados em situações mais escuras para obter velocidades do obturador mais rápida (por exemplo um evento de esportes em um local coberto, ae você deseja congelar a ação, com pouca iluminação) – no entanto o custo é que as fotografias será com mais grãos. Para exemplificar segue abaixo uma fotografia com ISO diferente.

Configuração do ISO

O da esquerda está com um ISO 100 e o da direita em ISO 3200.

ISO 100 é geralmente aceito como ‘normal’ e lhe dará lindas fotos nítidas (pouco ruído / grão).

A maioria das pessoas tendem a manter suas câmeras digitais em “Modo Auto”, onde a câmera seleciona a configuração de ISO adequado, dependendo das condições que você está fotografando (ela vai tentar manter o mais baixo possível), mas a maioria das câmeras também lhe dará a oportunidade de selecionar ISO manualmente.

Quando for usar sua câmera e escolher uma configuração de ISO, você vai notar que ela vai  impactar na abertura e velocidade necessária para fotografar. Por exemplo – se você colidisse o seu ISO de 100 para 400 você vai perceber que você pode disparar em alta velocidade e / ou menor aberturas.

Ao escolher a configuração ISO geralmente eu me pergunto:

  • Luz – O assunto é bem iluminado?
  • Grãos – Eu quero uma foto granulada ou sem?
  • Tripé – Estou usando um tripé?
  • Movimento – Meu assunto está em movimento ou parado?

ISO é um aspecto importante da fotografia digital, para ter maior compreensão e ganhar mais controle de sua câmera digital experimente diferentes configurações e como elas impactam nas suas imagens hoje.

Luz Laranja x Café?

De acordo com cientistas, comprimento de onda da luz alaranjada provoca aumento da atividade cognitiva e dos batimentos cardíacos ao ativar fotorreceptores dentro dos olhos.

luz-laranja-cafe

Eis aí uma fonte que não cansa de surpreender: a luz. Particularmente, a boa e velha luz incandescente de tom alaranjado. De acordo com pesquisadores belgas, a luz alaranjada provoca alterações semelhantes às de uma xícara de café — do aumento da atividade cognitiva do cérebro à aceleração dos batimentos cardíacos. E bastam dez minutos.

De acordo com estudo publicado no PNAS, a luz laranja ativa fotorreceptores dentro dos olhos, os quais controlam a produção da substância conhecida como melopsina — que, conforme acreditam os cientistas, é capaz de alterar os batimentos cardíacos de uma pessoa.

Voluntários sob a luz


A fim de entender mais profundamente qual é o papel da melopsina no controle do cérebro em particular, os cientistas bombardearam 16 voluntários com luzes azul e alaranjada. Em seguida, os participantes foram convidados a realizar um teste de memória dentro de um aparelho de ressonância magnética.

Posteriormente eles foram vendados por 70 minutos para, por fim, realizar mais uma vez o teste, então sob luz verde. Os resultados mostraram que a luz alaranjada teve grande influência na atividade cerebral.

Fonte: MegaCurioso

Regra dos Terços na fotografia

Regra dos Terços

O que é?

É o conceito de visualizar o assunto em que está fotografando em duas linhas horizontais e duas verticais. As quatro interseções criadas entre elas são os pontos que os olhos tem maior interesse. Com isso manter o que está sendo fotografado em uma dessas interseções criara uma maior harmonização da imagem final. Fotografar um assunto centralizado não quer dizer que estará bem equilibrado.

Para facilitar a vida de quem está fotografando muitas câmeras já vem com essa função ativada ou com esse opcional em suas configurações.

Funciona?

Em 99% dos casos sim, vai ser a forma harmoniosa de transmitir seu olhar. Repare que muitas  pessoa param e olham uma fotografia e diz que gostou muito, – tirando o objeto fotografado que está em foco é claro, dizendo que está harmoniosa, bem feita e aquilo outro. Porém esse efeito de não sabe explicar, é porque a regra dos terços  está sendo aplicada e de maneira subjetiva o cérebro compreendendo a harmonia da construção com os pontos de interesse, que é as interseções.

Regra dos Terços - Fotografia Café

Talvez você esteja se perguntando, “Mais a regra dos terço não e para pintura  e obras de arte?” Sim, de fato é aplicada com bastante atenção na sua construção, mais a fotografia também é uma arte. Bons fotógrafos já olham para o objeto que desejam clicar e já está em sua mente a aplicação da regra dos terço em sua composição.

Regra para boas fotografias?

Não é uma regra, mais se você que fugir de fotos que não chamem a atenção e da mesmice fotográfica, é uma ótima pedida.

Neste post sobre  como compor fotografia com cuidado abordos sobre algumas regras que podemos utilizar usando o conceito das regras dos terços.